CCES Unicamp

Modelagem Molecular da Interação entre Fármacos e a Albumina do Soro Humano (HSA)

Nelson H. Morgon1 e Aguinaldo R. de Souza2

1Instituto de Química e Centro de Computação em Engenharia e Ciências – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

2Faculdade de Ciências da Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP.

 

10.5281/zenodo.3265044

Quando estamos em estado febril devido a alguma enfermidade ,como uma gripe ou um simples resfriado, fazemos uso de algum medicamento oriundo de um fármaco encontrado na natureza ou produzido em laboratório. Ao ingerirmos esse medicamento o objetivo é recuperarmos a nossa saúde, no entanto alguns fenômenos muito interessantes ocorrem no nosso organismo em nível molecular que atraem o interesse dos pesquisadores. A atenção está voltada, principalmente no estudo das interações entre os medicamentos que ingerimos e as biomoléculas do nosso corpo como as proteínas e o DNA.

Cristais da proteína HSA.

Fonte: (https://www.imperial.ac.uk/people/s.curry)

Dentre um número muito grande de proteínas encontradas no nosso corpo, uma delas é essencial no transporte, ou na farmacocinética, de remédios e de outras moléculas de interesse biológico: a Albumina do Soro Humano, ou HSA (do inglês Human Serum Albumin). Esta proteína, produzida no fígado, é a mais abundante no sangue, e exerce muitas funções vitais no nosso organismo, como a regulação da acidez (pH) do nosso sangue. Outra função importante dessa proteína é o transporte dos hormônios da glândula tireoide, conhecidos como T3 e T4. A HSA é uma proteína globular, na forma de coração, que apresenta a propriedade de ligar-se a várias moléculas tanto de origem do nosso próprio corpo (endógenas) ou externas a ele (exógenas). O estudo da ligação de moléculas à proteína HSA é realizado através da obtenção de pequenos cristais contendo tanto a proteína como o fármaco.

A partir destes cristais e da técnica de difração de raios-X podemos obter informações valiosas sobre a orientação de um fármaco dentro da proteína. Esta informação é essencial para o desenvolvimento de novos fármacos para o tratamento de enfermidades e no alívio de sintomas advindos de doenças ou síndromes. No entanto, para alguns fármacos, após a interação com a proteína HSA, não é possível, e em alguns casos é impossível a obtenção desses cristais. Deste modo lança-se mão de outros recursos, como a simulação computacional dessas estruturas químicas. Assim, com o aparecimento, nas últimas décadas, de computadores cada vez mais velozes e com maior capacidade de armazenamento de informações, e também com o desenvolvimento de programas cada vez mais inteligentes, hoje em dia é possível o estudo de sistemas cada vez mais complexos. Dentre estes problemas está o estudo das interações entre fármacos e a proteína HSA. Estes estudos são conhecidos na comunidade científica como Modelagem Molecular. A característica principal desses estudos é o caráter preditivo das propriedades eletrônicas e moleculares dos sistemas envolvendo, por exemplo, estudo das propriedades isoladas dos fármacos e da proteína HSA, bem como de suas interações.

Vista da estrutura da cavidade do sítio de interação da HSA com o aminoácido dansilglicina.

Os cálculos matemáticos envolvidos nestes estudos são relativamente custosos do ponto de vista computacional, ou seja, demoram muito tempo, e por isso o nosso grupo de pesquisa tem conseguido estudar os problemas envolvendo a interação entre diferentes fármacos e a proteína HSA graças à infraestrutura disponível no Center for Computing in Engeneering & Sciences (CCES). Os resultados obtidos na Modelagem Molecular permitem a obtenção de informações que servem como subsídios na interpretação dos resultados obtidos experimentalmente (nos laboratórios), além da possibilidade de predição das propriedades químicas e físicas do sistema fármaco e proteína. Na figura acima, por exemplo, apresentamos um dos resultados obtidos nos cálculos computacionais ,que mostra a molécula de um fármaco no interior da proteína HSA.

Artigos científicos relacionados:

Venturini, D.; Pastrello, B.; Zeraik, M. L.; Pauli, I.; Andricopulo, A. D.; Silva-Filho, L. C.; Bolzani, V. S.; Morgon, N. H.; Souza, A. R.; Ximenes, V. F. Experimental, DFT and docking simulations of the binding of diapocynin to human serum albumin: induced circular dichroism. RSC Adv. 5(76), pp. 62220-62228, 2015.

De Souza, A. R.; Ximenes, V. F.; Morgon, N. H. Study of relative stability of tautomeric forms of phenylbutazone and calculation of UV-Vis and ECD spectra. Rev. Virtual. Quím. 8(2), pp. 525-535, 2016.

Venturini, D.; De Souza, A. R.; Caracelli, I.; Morgon, N. H.; SILVA-FILHO, L. C.; Ximenes, V. F. Induction of axial chirality in divanillin by interaction with bovine serum albumin. PLoS One, 12, pp. e0178597, 2017.

Ximenes, V. F.; Morgon, N. H., De Souza, A. R. Solvent-dependent inversion of circular dichroism signal in naproxen: An unusual effect!. Chirality 30, pp. 1049-1053, 2018.

De Souza, A. R.; Boza, I. A. F.; Ximenes, V. F.; Yoguim, M. I.; Dávila-Rodrigues, M. J. Morgon, N. H.; Caracelli, I. Elucidação da quiralidade induzida na molécula dansilglicina na complexação com a proteína albumina do soro humano (HSA). Quím. Nova, 42(2), pp. 135-142, 2019.

Sousa, I. L., Ximenes, V. F.; De Souza, A. R., Morgon, N. H. Solvent-Induced Stokes’ Shift in DCJTB: Experimental and Theoretical Results. J. Mol. Struct. (in press).

Related posts

Aprendizado de máquina para a simulação de turbulência

cces cces

Vibration readings and high computational power allow us to ‘see’ the bottom of the ocean

escience

Pesquisadores do CCES desenvolvem modelos computacionais do processo de fratura óssea associada à osteoporose

cces cces